Novembro Negro: Estudantes do Oguntec descobrem a África Milenar

  • Home
  • Notícias
  • Novembro Negro: Estudantes do Oguntec descobrem a África Milenar
Novembro Negro: Estudantes do Oguntec descobrem a África Milenar

Novembro Negro: Estudantes do Oguntec descobrem a África Milenar


O que você sabe sobre a África Milenar?

Essa foi a questão trazida durante a palestra do professor doutor Ngombulu Ya Sangui Ya Mina Bantu Lascony, realizada na Faculdade de Educação, da Universidade Federal da Bahia (FACED/UFBA), em Salvador.

 

 

 

 

Para o público ouvinte formado majoritariamente por estudantes do Programa Oguntec, do Instituto Cultural Steve Biko, (que prepara jovens negros e negras para as áreas tecnológicas) das escolas estaduais Edgard Santos e Alberto Valença, o professor mostrou os tesouros descobertos no Continente Africanos em suas viagens pelos países, preciosidades que em geral são desconhecidas pela população brasileira e mundial.

Lascony esteve em 419 aldeias africanas, viajou para 98 países, incluindo 38 ilhas do Caribe, 18 países europeus, 3 na América, com a câmera na mão registrando e mostrando, as belezas da arquitetura africana, da cultura e do povo. O professor trouxe ainda um relato de séculos de “assaltos” realizados no Continente Africano, pelos europeus, desde o advento do sequestro e escravização de africanos, a exemplo do Obelisk, retirado do Egito, seu lugar de origem e transportado para países Europeus. Os estudantes ficaram encantados com as descobertas realizadas por meio de diversas imagens apresentadas pelo professor Lascony e pelas ricas histórias trazidas.

Também estiveram presente no evento o professor doutor Paulo Sebastião Massingacala, a professora da Faced, Adréia Oliveira; o diretor Executivo do Instituto Cultural Steve Biko, Lázaro Cunha; os coordenadores do Oguntec, Cristina Santos (pedagógica) e Paulo Mendes (tecnologia); a assistente pedagógica do Oguntec, Carol Lima; o vereador de Salvador, Sílvio Humberto, além de membros da comitiva dos professores. A tradução foi realizada pela franco-portuguesa, Bernadete Ferreira.

 

A programação é parte do calendário de ações em comemoração ao Novembro Negro da UFBA, promovido pela Superintendência de Relação Internacionais.



Parcerias